Diário de um Mágico

ALAKAZAM! Diário dos céus, hoje o meu dia foi corrido, viu? Preciso ganhar dinheiro pra me sustentar e, apesar de ser mágico, ainda não aprendi um truque pra fazer aparecer dinheiro, então o que me resta é trabalhar. Mas não é fácil ser famoso como o Mister M ou David Copperfield, afinal charlatão e pastor enganando gente na TV já tem aos montes né.

Nessa tarde eu fui fazer uma apresentação numa festa de aniversário infantil. Imagina a situação: toda aquela pirralhada correndo no quintal, montando no cachorro e destruindo qualquer coisa que pudesse ser quebrada na casa. Além de tudo, tinha um palhaço enchendo bexigas também - vi uma criança chutando o saco dele, fiquei preocupado e atento.

O dono da festa, um menino mimado e filho único, de 7 anos, mais parecia o capeta em forma de guri. Seus amiguinhos ficaram eufóricos quando me viram preparando os truques. Antes de perceberem que eu era o mágico, alguns me viram de terno preto e gravata borboleta e vieram pedir mais coxinhas, achando que eu era o garçom.

Bom, eu montei minha mesinha portátil, coloquei os baralhos, cartola, corda, elásticos e toda aquela bugiganga em cima - parecia mais uma banquinha de camelô. As crianças, umas 15, estavam sentadas em cadeiras de plástico enfileiradas, ansiosas e enfiando o dedo no nariz. Depois de ouvir um "TIO, VAI LOGO!!!" e um coro de "COMEÇA! COMEÇA! COMEÇA!", respirei fundo e iniciei o Grande Espetáculo do Mágico de OZasco (sim, esse é o nome do meu show... sou mágico, não publicitário).

Meia hora depois, após fazer coelho, pomba e o diabo a quatro sair daquela cartola e de enganar as crianças com um baralho mais marcado do que truco de boteco, finalmente tinha terminado mais um dia de trabalho, tão pesado quanto expediente de mecânico. Fiquei meio rouco, porque como em toda festa infantil, tive que gritar com as crianças pra pararem de mexer nos lenços no meu bolso e sentarem na porra da cadeira. Sempre tem aquele gordinho enchendo o saco falando que sabe todos os truques que eu fiz e que o pai dele conhece mágicos melhores. Ou aquela menina chata que chora, esperneia e chama a mãe porque quer que eu dê meu coelho pra ela. Da próxima vez eu faço sair um pônei cor-de-rosa ou um unicórnio da cartola, pra ver se ela cala a boca.

Vida de mágico não é fácil, a gente tem que ser mais babá do que ilusionista. Mas no fim das contas, pelo menos não chutaram meu saco. Coitado do palhaço...

ALAKAZAM!

3 comentários:

Gabirovisky Rosa 5 de fevereiro de 2015 21:11  

Cara, ameis os textos, muito jóia, super criativo, por que parou de postar?? Você têm alguma outra página ou algum blog?? Por favor responda preciso ler mais!!!!! :D
Parabéns pelo trabalho! Sucesso pra você!

Adna Ribeiro Braquehais 3 de junho de 2015 13:32  

POR FAVOR NAO PARE EU AMO OS SEUS TEXTOS DO FUNDO DO MEU CORAÇÃO ACHEI ESSE BLOG QUANDO ESTAVA TRISTE E DESDE ENTAO ENTRAVA QUASE TODO DIA PRA VER SE TINHA ALGO NOVO ESPEREI 5 ANOS MAIS VALEU A PENA SERIO EU VOU ENTRAR EM LUTO SE VOCES PARAREM ESSE BLOG DEVERIA TER 1000000000000000 FÃS ACHO QUE SO NAO TEM POR QUE VOCES PARARAM DE POSTAR

Isaias Medeiros 28 de agosto de 2015 21:36  

Muito bom mesmo, lendo suas postagens me identifiquei muito, veja o meu e vamos fazer uma troca de links? Da uma passada em meu blogger e conheça podemos trocar ideiar e melhorias ... Esse é o meu blogger

Link: http://diarioqueridoimd.blogspot.com.br/

Buscar nos diários